Papa afasta dois cardeais de seu círculo de conselheiros por pedofilia

O papa Francisco afastou de seu círculo de conselheiros mais próximos o cardeal George Pell, acusado na Austrália de agressões sexuais contra menores, e o chileno Francisco Javier Errázuriz, suspeito de ter escondido os atos de um padre pedófilo no Chile – anunciou o Vaticano nesta quarta-feira (12).

Os dois altos líderes eclesiásticos fazem parte de um conselho de nove cardeais de todos os continentes, chamado C9, que aconselha o Papa Francisco sobre a reforma da administração da Santa Sé.

O papa escreveu aos cardeais que deixarão o conselho para agradecer-lhes “pelo trabalho que realizaram por cinco anos”, afirmou o assessor de imprensa do Vaticano, Greg Burke, nesta quarta-feira.

No entanto, este anúncio chega antes de uma cúpula muito aguardada sobre a “proteção de menores”, entre 21 e 24 de fevereiro, organizada pelo papa, que contará com a presença dos presidentes das conferências episcopais do mundo todo, de especialistas, mas também de vítimas de abusos sexuais cometidos por clérigos. Um desafio, enquanto alguns bispos da Ásia e da África afirmam que não estão envolvidos em um problema “ocidental”.

Os escândalos de abuso sexual, perpetrados ou ocultados pelo clero, levaram a Igreja Católica a uma crise sem precedentes na Europa, Estados Unidos, Chile e Austrália.

“A reunião de fevereiro não resolverá todos os problemas, visto que há diversidade mundial demais na Igreja. O episcopado americano, em pânico, opta por medidas radicais, enquanto os africanos não querem que se imponha nenhuma”, resumiu uma fonte próxima ao papa, tentando suavizar as expectativas.

“A ‘omertá’ (lei do silêncio) foi nossa cultura durante tempo demais. A reunião de fevereiro deve marcar um novo começo sobre a responsabilidade dos bispos, e inclusive sobre um novo instrumento de controle”, descreveu.

Quaisquer que sejam as dificuldades para ‘afinar os violinos’ de uma Igreja com contrastes, agora se espera que o papa argentino mantenha sua intransigência até a cúpula da Igreja.

O papa afastou Pell temporariamente há 18 meses, para que ele pudesse se defender diante da Justiça australiana. Até agora, o cardeal não retornou a Roma. Nesta quarta-feira, o porta-voz do Vaticano não quis comentar sua situação judicial.

– Aumento de despesas –

Pell, de 77 anos, permanece oficialmente à frente da Secretaria de Economia criada pelo Papa Francisco para ordenar as finanças da Santa Sé. O mandato de cinco anos termina, a princípio, no final de fevereiro.

Para respeitar a presunção de inocência, o papa não quis, até agora, como alguns consultores pediram, nomear um novo oficial de finanças, embora esta semana um alto funcionário da cúria (o governo do Vaticano) tenha dito que as despesas da Santa Sé estão aumentando de maneira “inaceitável”.

Nesta quarta-feira, justamente com motivo de uma reunião do “C9”, sem os afastados, o cardeal alemão Reinhard Marx, coordenador de um Conselho para a economia, detalhou que a Santa Sé está em colapso financeiro, sobretudo pelos custos com pessoal, sugerindo lançar mão do recurso da aposentadoria antecipada.

O segundo afastado, o cardeal chileno Francisco Javier Errázuriz, também perdeu seu lugar no C9. No Chile, ele é acusado por vítimas de abuso sexual de ter acobertado os atos de um padre pedófilo, um caso que escandaliza o país.

Alguns observadores apontam que Errázuriz aconselhou mal Francisco, levando o papa a defender um cardeal chileno, envolvido no escândalo do abuso sexual, uma defesa que complicou muito a viagem do sumo pontífice ao Chile em janeiro de 2018.

Depois de um encontro no Vaticano com Francisco, o cardeal Errázuriz anunciou em novembro que estava se retirando do C9.

Fonte.: AFP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.