Página Inicial / Aconteceu/ Ultima hora / Gilmar pede vista e suspende análise de habeas corpus de Lula

Gilmar pede vista e suspende análise de habeas corpus de Lula

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), pediu vista e suspendeu, nesta terça-feira (4), o julgamento de um pedido de liberdade formulado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estava em análise na Segunda Turma.

A defesa alegou que o ex-juiz Sergio Moro, que condenou Lula na Lava Jato, atuou de forma parcial e com motivação política, o que agora teria ficado demonstrado com sua indicação para o Ministério da Justiça no governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Antes de Gilmar pedir vista (mais tempo para analisar o caso), “considerando a importância do tema” e as controvérsias que ele suscita, os ministros Edson Fachin, relator do processo, e Cármen Lúcia votaram por negar o habeas corpus a Lula. Faltavam os votos de Gilmar, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski. Não há data para o julgamento ser retomado.

No início da sessão desta terça, o advogado de Lula, Cristiano Zanin, chegou a pedir para o julgamento do habeas corpus ser adiado. O defensor disse que impetrou outro, com teor semelhante, na noite desta segunda-feira (3), e que os dois deveriam ser analisados em conjunto.

Também no início da sessão, o ministro Gilmar propôs que o processo fosse julgado pelo plenário (composto pelos 11 ministros), e não pela Segunda Turma. Houve uma votação para discutir o adiamento e a afetação ao plenário e, por maioria de 3 votos 2, o colegiado decidiu prosseguir com o julgamento e mantê-lo na turma.

Em seu voto, Fachin rebateu cada um dos indícios de suspeição apontados pela defesa de Lula contra Moro. O ministro relator afirmou que a questão da suspeição do ex-magistrado já foi analisada em procedimentos no TRF-4 (Tribunal Regional federal da 4ª Região) e no STJ (Superior Tribunal de Justiça), que em todas as ocasiões reconheceram que Moro atuou dentro da legalidade.

A defesa de Lula listou como indícios de suspeição de Moro, entre outros: a condução coercitiva determinada sem intimação prévia para depor, a divulgação do grampo que captou uma conversa entre o petista e a então presidente Dilma Rousseff e, como fato novo, a aceitação do convite de Bolsonaro para ser ministro da Justiça.

“Não deixo de anotar a presença de procedimentos heterodoxos, ainda que para atingir finalidade legítima, que não devem ser beneplacitados, exigindo, contudo, na via estreita do habeas corpus, mais do que indícios ou narrativas para que configurem excepcionalmente causas aptas a viciar a prestação jurisdicional [pelo ex-juiz]”, afirmou Fachin.

Cármen Lúcia, que acompanhou Fachin e também votou por negar o pedido de liberdade, disse que, se a tese de Lula for aceita, é preciso aceitar que todo o Judiciário brasileiro age em conluio para perseguir o ex-presidente.

“O ex-juiz ter aceito, em momento muito posterior à decisão [que condenou Lula], o convite que lhe foi formulado não pode ser considerado suficiente para afirmar sua parcialidade”, afirmou Cármen.

Na sessão, o advogado de Lula sustentou que o petista “jamais teve hipótese de ser absolvido por esse magistrado”. Zanin destacou que recorrentemente veículos de imprensa colocavam Moro e Lula como adversários políticos em suas capas e reportagens, o que demonstra objetivamente uma percepção da rivalidade que havia entre os dois.

Representante do Ministério Público na sessão, a subprocuradora-geral Cláudia Sampaio afirmou que não há constrangimento ilegal que justifique a concessão de habeas corpus ao petista. Segundo ela, a questão da suspeição do ex-juiz nem poderia ser discutida em habeas corpus, porque esse tipo de processo pressupõe que haja uma irregularidade ou um abuso devidamente comprovado e documentado, o que não é o caso.

A subprocuradora-geral admitiu ter havido erros ao longo do processo, como o grampeamento do telefone do escritório do advogado Roberto Teixeira -que se pensava ser de uma empresa ligada a Lula, segundo ela-, mas afirmou que tais erros foram corrigidos pela Justiça a tempo.

Ainda segundo Sampaio, quando Moro condenou Lula, em julho de 2017, não se esperava que Bolsonaro fosse se candidatar ao Planalto. “Não se poderia sequer cogitar que ele [Moro] pudesse eventualmente obter algum benefício com a condenação do ex-presidente”, disse.

Divulgação : Abarrosnews.com

Sobre admin

Veja também

‘Idiotas úteis, imbecis’, diz Bolsonaro sobre grevistas

Nos Estados Unidos, onde vai ser homenageado em Dallas, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) comentou …

Governo de Andradina inicia preparativos para o Dia do Desafio

O Governo de Andradina começou os preparativos para o Dia do Desafio que este ano …

Direitos Humanos do Governo de Andradina leva Cine para os assentamentos

A Secretaria de Direitos Humanos do Governo de Andradina realizará, nesta sexta-feira (17) às 19h, …

STJ manda soltar Temer e coronel Lima e troca prisão por medidas cautelares

Por 4 a 0, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) mandou nesta …

Governo de Andradina realiza capacitação regional do Programa Município Verde Azul

O Governo de Andradina por meio da Secretaria de Meio Ambiente acompanhada do Ciensp (Consórcio …

Tamiko recebe diretora da regional da Drads de Araçatuba

Na manhã desta terça-feira (14), a prefeita Tamiko Inoue recebeu em seu gabinete a diretora  …

Governo de Andradina acerta últimos detalhes para Jogos Regionais

Finalizando os preparativos para os 63° Jogos Regionais que acontecem em Andradina de 02 a …

Alerta de tsunami na Papua-Nova Guiné após terremoto de 7,7

Centro de Alerta emitiu uma ameaça de tsunami nesta terça-feira (14) Nesta terça-feira (14), um …

Serviços secretos invadem Assembleia Nacional e gabinete de Guaidó

Foram arrombadas as gavetas da presidência e vice-presidência Forças da segurança da Venezuela, incluindo do …

Governo de Andradina capacita profissionais da rede de proteção social da criança e adolescente

A Secretaria de Promoção e Assistência Social do Governo de Andradina em parceria com o …

Anistia pede que Tribunal de Haia investigue crimes contra humanidade na Venezuela

As práticas de repressão contra a população civil executadas pelo governo venezuelano podem constituir crimes …

Radiografia do Sebin, o temido serviço de inteligência de Venezuela

Classificado pelas organizações dos direitos humanos como “instrumento de perseguição política”, o serviço de inteligência …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *