Entenda a fórmula de correção que determina a fixação do salário mínimo

Uma das primeiras medidas do governo de Jair Bolsonaro foi a fixação do salário mínimo em R$ 998,00 em 2019, o que gerou polêmica por ser abaixo do orçamento formulado pelo governo Temer, que previa R$ 1.006,00.

A discrepância entre o que foi estimado e o valor final pode ser explicado a partir de uma fórmula de correção, implantada em 2012 e válida até 2019.

Ano a ano, o reajuste do salário mínimo teve como base o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes e a variação da inflação, medida pelo INPC, do ano anterior, que, por causa do tempo, acaba sendo cotada em forma de previsão.

Para este ano, portanto, foram utilizados o crescimento do PIB de 2017, que teve alta de 1%, e a inflação de 2018, estimada pelo governo da época em 4,2%, o que resultaria, de fato, em um salário de R$ 1.006,00.

Apesar das previsões, a inflação se consolidou em 3,3% e o ajuste do salário mínimo acompanhou a conta da fórmula, totalizando o valor de R$ 998,00.

Além disso, no reajuste do mínimo de 2019 está embutida uma compensação pelo reajuste autorizado em 2018, de 1,81%, que ficou abaixo da inflação medida pelo INPC. A revisão, de R$ 937 para R$ 954, foi a menor desde o Plano Real de 1994.

Como este é o último ano que foi formalizado com base na fórmula de correção, o presidente Jair Bolsonaro precisa avaliar qual será sua proposta para o salário mínimo de 2020 em diante.

Fonte.: Yahoo Finanças

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.