Página Inicial / Aconteceu/ Ultima hora / Com quarto lugar, Serra confirma bicampeonato da Stock Car em Interlagos. Zonta fecha 2018 com vitória

Com quarto lugar, Serra confirma bicampeonato da Stock Car em Interlagos. Zonta fecha 2018 com vitória

Daniel Serra é bicampeão da Stock Car. A conquista foi confirmada na manhã deste domingo (9) com uma corrida segura na decisão do título em Interlagos. Sem correr riscos, o piloto da RC Eurofarma evitou problemas desde a largada e garantiu a taça mais cobiçada do automobilismo brasileiro.

Dono de uma regularidade impressionante ao longo de toda a temporada, Daniel precisou apenas de um quarto lugar para festejar o bicampeonato. Felipe Fraga foi muito valente, largou em 18º e cruzou em quinto, logo atrás de Serrinha, completando também uma grandiosa temporada. Ricardo Zonta fechou 2018 com vitória pela Shell V-Power depois de ter largado na pole.

Julio Campos, outro piloto que fez uma temporada irretocável, finalizou a prova em segundo lugar, com Gabriel Casagrande completando o pódio. Serra fez uma corrida segura, sem se envolver em incidentes, e finalizou em quarto, logo à frente de Fraga.

Rubens Barrichello, que largou no último terço do grid, completou uma grande corrida para ser o sexto colocado, à frente de Marcos Gomes, Antonio Pizzonia e Átila Abreu. Gaetano di Mauro, na sua corrida de estreia na Stock Car, foi o décimo.

Daniel Serra e Felipe Fraga tiveram literalmente mais um impulso na decisão do título. Os dois candidatos à taça foram eleitos pelos fãs na votação do Fan Push, assim como Bia Figueiredo e os três pilotos da Hero — que se despediu da Stock Car neste domingo: Lucas Di Grassi, Bruno Baptista e o estreante do fim de semana, Gaetano di Mauro.

Fraga, partindo da 18ª colocação, não tinha nada a perder. Serra, largando em terceiro, abriu a corrida com amplas chances de levar o bi. À frente do #29, apenas Ricardo Zonta e Julio Campos puxando a fila de um grid formado por 31 carros.

Serrinha fez uma largada cautelosa e evitou dividir a curva com Julio Campos, sendo superado por Cacá Bueno e Gabriel Casagrande, caindo para quinto. Daniel tinha Ricardo Maurício logo atrás, com o bicampeão funcionando como uma espécie de escudo. Ricardo Zonta manteve a dianteira, enquanto Fraga passou a primeira curva em 16º.

Na terceira volta, Julio Campos fez a ultrapassagem sobre Zonta, que acionou o botão de ultrapassagem logo depois, na reta dos boxes, para retomar a liderança. Serrinha andava seguro em quinto lugar, pouco atrás de Cacá e Casagrande. Fraga caía para 17º, entre Felipe Lapenna e Átila Abreu.

Lá na frente, Julio e Zonta se revezavam na liderança, com o piloto da Prati-Donaduzzi voltando à ponta na quinta volta e Zonta retomando o topo dois giros depois. Cacá Bueno, em terceiro, enfrentava problemas com o pneu traseiro esquerdo raspando na carenagem.

Assim, o pentacampeão foi ultrapassado pelos adversários, começando por Casagrande, Serra e Maurício. Voltas depois, o piloto levou o carro #0 aos boxes da Cimed, encerrando sua participação na temporada. À reportagem do SporTV, Cacá criticou Casagrande pelos toques na disputa por posição e pelo dano no pneu, o que resultou no fim da sua prova.

Serra fazia uma corrida tranquila e continuava em quarto lugar pouco antes da abertura da janela para pit-stop obrigatório. Fraga, por sua vez, lutava de forma aguerrida para ao menos chegar perto e aparecia em 13º lugar.

Serrinha foi um dos primeiros a fazer o pit-stop, que compreende a troca de dois pneus. Na saída, o #29 quase se chocou com um dos carros da Carlos Alves, perdendo tempo antes de retornar à pista.

Daniel voltou atrás de Maurício e Gaetano di Mauro. Fraga, que quase acertou um dos mecânicos da Cimed depois da troca, seguia atrás do rival após a parada, posição que favorecia Serra na luta pelo título. Zonta fez seu pit-stop na volta 13.

Com o fechamento da janela e todos os pilotos com suas paradas feitas, o cenário para o fim da corrida mostrava Zonta como líder, Campos em segundo e Casagrande fechando o top-3. Maurício aparecia em quarto, seguido por Antonio Pizzonia, Gaetano di Mauro e Serra, vindo na sétima colocação. Fraga vinha em 11º.

Daí em diante, restava pouco tempo para uma mudança na definição do título. Mas Serra tratou de acelerar para se manter de forma confortável na corrida ao ultrapassar Di Mauro e subir para quinto, passando também Pizzonia. Fraga era o décimo. Restavam pouco mais de cinco minutos para o fim.

Nos instantes finais, Marcos Gomes, que cresceu ao longo da prova, chegou a encostar em Serra, mostrando até ter um ritmo melhor. Mas Daniel ainda tinha mais um botão de ultrapassagem para acionar e se defender, mantendo assim a confortável quinta colocação.

Fraga lutou muito, ganhou mais algumas posições e subiu para oitavo, logo atrás de Gomes, seu companheiro de equipe, que seguia pressionando Serra. Di Grassi, também com o push-to-pass, superou Gomes e Serra, subindo para quinto.

No fim da penúltima volta, Gomes chegou a passar Serra, que devolveu na reta dos boxes. Fraga abriu a última volta logo atrás do rival depois de passar Marquinhos. Na luta para tentar chegar em Daniel, Felipe encostou no carro de Lucas Di Grassi, que rodou.

Serrinha ficou com a pista livre para terminar em quarto — após problema sofrido por Ricardo Maurício — e soltar pela segunda vez o grito de campeão da Stock Car.

Fonte.: GrandePrêmio (MSN)

 

Sobre admin

Veja também

Battisti ficará em isolamento por um ano em prisão na Sardenha

Detido no presídio de Massama, em Oristano, na Sardenha, Itália, o ex-terrorista Cesare Battisti, de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *